loader image

Todas Varizes Precisam ser Operadas?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

As varizes dos membros inferiores são veias dilatadas e tortuosas que podem ser vistas nas nossas pernas e coxas. São muito comuns e fazem parte das doenças da circulação venosa. Inclusive, temos um post que explica melhor sobre as suas causas, sintomas e tratamentos. Hoje, gostaria de discutir quando e porque a intervenção pode ser uma opção. Escolhemos o termo intervenção porque, além da cirurgia, temos outras formas de remoção das varizes como o laser e a espuma. Mas isto será abordado em outro post.

A intervenção tem dois objetivos principais: melhorar os sintomas e retirar as veias já doentes.

 

Há pessoas que têm poucas varizes aparentes mas se sentem muito desconfortáveis. Para estas, a intervenção pode ajudar bastante no alívio dos sintomas e melhora do bem estar. Existe, no entanto, pessoas com muitas varizes visíveis mas que não sentem quase nada de sintomas. Desta forma, podem permanecer bem mesmo apenas com o tratamento clínico.

Isso realça que não é o número e nem o tamanho das varizes que determinam a necessidade de intervenção. O que você sente, isto é, o que as varizes te traz, é muito mais importante que a sua presença ou os resultados dos exames.

Em alguns indivíduos, a doença venosa pode se manifestar de forma mais grave, inclusive gerando risco de se desenvolver feridas. Por sorte, isto não ocorre de uma hora para outra. Antes, conseguimos notar escurecimento (dermatite ocre) ou avermelhamento das pernas (eritrodermatose), principalmente na face interna e próxima aos tornozelos. Além disso, a pele vai se tornando mais durinha ou menos elástica ao toque, várias vezes gerando dor local. Estas alterações, que usualmente são aompanhadas pelo inchaço (edema) são sinais de alerta ou de que a doença venosa está se agravando… Estas pessoas usualmente vão precisar de alguma intervenção pois queremos e devemos evitar as úlceras a qualquer custo.

É muito comum as pessoas chegarem ao consultório preocupadas porque fizeram um duplex vascular e lhes foi dito que a veia e a sua safena estavam doentes. A veia safena alterada ao exame, porém, não é indicação automática de cirurgia. Mesmo com refluxo, podem não estar causando sintomas ou prejudicando a circulação. Desta forma, não precisam ser abordadas, pelo menos neste momento.

O que determina o benefício da cirurgia são os sintomas e a intensidade da doença venosa e não a alteração de uma ou outra veia específica ao exame. Você é mais importante que as alterações dos exames. 

Temos, por fim, pacientes com poucos sintomas e sem alterações importantes no duplex vascular. Porém, a aparência das pernas as incomodam muito. Neste caso, a cirurgia é uma ótima opção. A retirada das veias muitas vezes faz retornar a nossa confiança e ainda nos incentiva a escolher hábitos mais saudáveis de vida.

Desta forma, vemos que apenas a presença de varizes não é indicação automática de cirurgia.

E que a cirurgia deve sempre ir de encontro aos atender aos objetivos do paciente. Com exceção daqueles poucos com doença venosa grave, muito sintomáticos, onde o risco de ferida ou outra complicação é maior, a opção por operar deve ser compartilhada entre o paciente e o cirurgião. Isto permite fazermos as melhores escolhas, de forma a termos pernas bonitas, leves e confortáveis.

Muitas pessoas acreditam que se fizerem a cirurgia estarão para sempre livres de terem varizes ou não precisarão mais adotar hábitos de vida saudáveis. Como explicamos no post O que são varizes, a saúde das pernas está intimamente ligada à saúde em geral. A intervenção é mais um passo da nossa caminhada à saúde.

Gostaria de melhorar sua qualidade de vida?

Receba dicas de nossos especialistas.