loader image

Trombose Venosa Profunda do viajante

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A trombose venosa profunda (TVP) é causada pela formação de coágulos no interior das veias. Pode ocorrer durante ou após viagens, e está relacionada com a imobilidade prolongada e com fatores de risco do próprio viajante.

Longos períodos de imobilidade, seja no transporte aéreo, seja no transporte terrestre, diminui o retorno do sangue ao coração e facilita a formação de coágulos, o que pode ser exacerbado pelo uso excessivo de sedativos ou de bebidas alcoólicas. O risco aumenta de forma proporcional ao tempo da viagem, e é significativo em viagens com mais de 8 horas de duração.

Fatores inerentes às condições da viagem podem influenciar no risco de trombose venosa. Como exemplos, podem ser citados assentos muito próximos, baixa umidade e possível desidratação pelo consumo de bebidas alcóolicas e diuréticas, como chás e café.

Além disso, a doença é mais freqüente em viajantes que tenham fatores individuais de risco, como uso de anticoncepcionais, gestação, obesidade, idade superior a 60 anos,  doença maligna e trombofilias.

O risco de trombose venosa é relativamente pequeno, considerando o número total de pessoas que viajam. Contudo, em razão da possível ocorrência de embolia pulmonar, que pode resultar em morte durante ou após uma viagem, é de extrema importância que sejam tomadas medidas preventivas.

Medidas simples podem reduzir muito o risco de trombose venosa. Utilizar roupas confortáveis e mais largas durante a viagem, mudar frequentemente de posição e fazer pequenas caminhadas sempre que possível e seguro, evitar a desidratação consumindo líquidos, evitar bebidas alcóolicas e remédios para dormir.

Pessoas com risco aumentado de trombose devem preferir assentos no corredor ou próximos às saídas, para facilitar a mobilização. Além disso, devem procurar orientação médica antes da viagem. Meias de compressao e medicamentos podem ser indicados em alguns casos e contra-indicados em outros, por isso a necessidade de conduta individualizada. Quando o fator de risco for temporário, deve-se considerar o adiamento da viagem.

Gostaria de melhorar sua qualidade de vida?

Receba dicas de nossos especialistas.