loader image

O Guia da Meia de Compressão: pra vocês fazerem as pazes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

As meias elásticas são o inimigo número um dos pacientes com varizes! Mas não devia ser…

Vários pacientes, ao me ouvirem falar de meia, franzem a testa e até desviam o olhar. Mas com o tempo, passado o susto inicial, descobrem que a maioria dos boatos sobre elas não se passam de Fake News.

O que elas são?

 

Meias elásticas são meias que têm como objetivo promover o retorno venoso. Como já conversamos no O que são Varizes? o sangue tem dificuldade de retornar ao coração pela gravidade e pela ausência de um coração na perna quando estamos parados.

A meia elástica comprime a musculatura das pernas, desde o tornozelo, estimulando a circulação e o fluxo venoso. As boas meias geram compressão graduada. A força é maior no tornozelo e vai se reduzindo em direção ao joelho. Isto faz um movimento de funil invertido. É como se a meia se transformasse em uma bomba de esvaziamento venoso, estimulando a circulação do sangue mesmo quando estamos parados.

Os sintomas relacionados às varizes se devem à dificuldade do sangue retornar ao coração. As pessoas acordam bem. Durante o passar do dia, vai se acumulando líquido nas pernas. Chega no final do dia, aparece o peso, o cansaço e às vezes o inchaço ou edema.

A meia tem como objetivo esvaziar as pernas, controlando de forma muito eficaz os sintomas. Além disso, promovendo uma melhora da circulação, consegue retardar o aparecimento de novas varizes. Como vemos, as meias podem ser grandes aliados.

Quer falar com o time de angiologistas da Intervascular? Nos chame pelo Whatsapp agora!

Mas qual meia escolher?

 

Vencida a resistência inicial, é hora de irmos a uma loja especializada para escolhermos a nossa meia. O ideal é que a meia seja comprada no período da manhã, momento que as pernas estão mais leves. Isto é importante pois o tamanho da meia é definido pelas medidas do comprimento e diâmetros da perna. Um paciente que fica com as pernas muito inchadas no final do dia poderia comprar à tarde uma meia que de manhã não geraria compressão adequada.

A primeira característica que deve ser observada é o nível de compressão que a meia proporciona. Existem meias de suave (15 a 18 a 20  a 23 mmHg), média (20-30 mmHg) e alta compressão (30-40 mmHg).

De acordo com a intensidade dos sintomas, a compressão é definida. Há inclusive pacientes que usam duas meias de compressão, uma sobre a outra.

Os tecidos:

Alguns são mais grossos e resistentes porém geram mais incômodo ao se calçar e, para alguns, deixam as pernas quentes. Há tecidos que tem como maior diferencial preservar a temperatura ou conforto térmico da perna. Outros são mais finos e mais estéticos. Deve-se ficar claro porém que mesmo meias de materiais mais finos entregam a compressão escrita na caixa. 

Algumas meias têm os dedos descobertos. Isto não interfere na sua eficácia ou uso. As mulheres, por usarem sapatos abertos de forma mais constante, muitas vezes optam por este modelo. O mesmo para os que sentem muito calor nos pés.

Os Comprimentos:

Estão disponíveis em vários comprimentos – até o joelho ou ¾, meia coxa ou ⅞ e ou mesmo meia calça. Uma impressão comum é que veias mais compridas seriam mais eficazes que meias apenas até o joelho. Sabemos, por meio de vários estudos porém, que a compressão exercida pelas meias acima dos joelhos é muito pequena, contribuindo muito pouco para o retorno venoso. Desta forma, as meias abaixo do joelho conseguem gerar o mesmo resultado, em relação aos sintomas, que meias mais longas.

 

Orientação Para o Uso das Meias:

Orientamos que as pessoas calcem as meias logo pela manhã. Alguns pacientes, principalmente os com insuficiência venosa grave ou que estão sem tratamento já amanhecem com as pernas inchadas. Ou estas incham mesmo após pouco tempo em pé. Para estes, pedimos que as meias já fiquem na cabeceira da cama e sejam calçadas ao acordar, antes mesmo de se levantarem.

Não é necessário usar a meia elástica durante a atividade física/prática de exercícios. Como se lembram, durante o movimento, a musculatura comprime as veias e promove o retorno venoso adequado. Não há, porém, nenhum problema caso se queira usar. Inclusive temos meias desenhadas exclusivamente para a prática de esportes.

Para a grande maioria das pessoas, as meias podem ser calçadas sem nenhum prejuízo após se levantar, cuidar da higiene ou mesmo se alimentar. 

Costumes:

Alguns pacientes elevam as pernas por 10 a 20 minutos antes de retirar as meias no final do dia. Referem que isto evita sintomas de formigamento, os quais podem ocorrer quando as meias são retiradas sem a elevação das pernas. Mas isto não é tão comum.

Alguma Contra-indicação Para Usá-las?

 

A principal contra indicação ao uso da meia é a presença de doença arterial grave nos membros inferiores. Uma consulta com o angiologista ou cirurgião vascular é capaz de excluir a presença de doença arterial qiue impeça o uso da meia elástica.

Outro receio comum é o uso da meia nos pacientes com úlcera venosa. Elas não só podem ser usadas como são parte fundamental do tratamento para fechar as feridas e serão assunto de outro post.

IMPORTANTE: Muitos pacientes apresentam varizes ou vasinhos nas coxas, principalmente na face lateral. Desta forma, sempre me perguntam se não compensaria usar uma meia que comprimisse a coxa e por conseguinte os vasinhos. Infelizmente,  as meias não são capazes de comprimir os vasinhos superficiais. Por incrível que pareça, quando mais próximo da pele se situa o vaso, mais difícil de se comprimir. Por isto sempre reforçamos que o papel da meia não é apertar os vasinhos mas fazer o sangue circular de forma adequada.

Agora que você se tornou um especialista em meia elástica, não há mais desculpas para não as usar!

Gostaria de melhorar sua qualidade de vida?

Receba dicas de nossos especialistas.